segunda-feira, 24 de outubro de 2016

RESENHA: Livro "Nildrien - O pergaminho" de Manoel Batista

Opa que hoje é dia de resenha! Dessa vez é do livro fruto de uma parceria com o autor Manoel Batista que apresentei neste post AQUI.

 Em um mundo de fantasia medieval, o despertar de uma poderosa energia em uma caverna milenar e remota faz com que os mais poderosos reinos de Nildrien se mobilizem para conseguir o artefato portador do poder: um antigo pergaminho criado pelo maior de todos os magos, contendo feitiços capazes de afetar o equilíbrio mundial. Sem poder enviar seus mais experientes e poderosos membros, resta às forças de reinos aliados formarem um grupo de jovens aventureiros para enviá-los ao maior desafio de suas vidas: uma aventura entre guerreiros, magos e monstros que dividem um cenário onde o fantástico e a magia se mostram mais presentes do que nunca. Uma jornada que mudará para sempre a vida desses jovens, repleta de drama, ação e humor.
Nildrien - O pergaminho é um livro de fantasia medieval escrito pelo autor paulista Manoel Batista. A obra de 588 páginas foi lançada em 2015 pela editora Novo Século. A história é narrada em terceira pessoa e possui inúmeros personagens não existindo apenas um protagonista, e sim vários.

Nildrien possui vários reinos que fazem o possível para conviverem em harmonia. Mas com a
descoberta de um pergaminho escondido nos confins de uma caverna de difícil acesso, contendo os mais incríveis feitiços do maior mago que já existiu, Arkross, eles realmente se unem para o artefato não cair nas mãos de Asenhar, o rei das trevas.

As autoridades do reino de Nalim já estavam prevendo que algo grande viria, por conta de rumores e da grande quantidade de magia desconhecida que emanava vinda da direção da caverna. Mas um mapa feito por um minerador que conseguiu chegar nos confins da caverna caiu nas mãos de guerreiros mercenários e sanguinários que almejavam agora o pergaminho, julgando ser o artefato mais poderoso de que conseguiriam em toda a sua vida.

Tomando as devidas providências para que não caísse em mãos erradas, a Rainha de Nalim, Dayla, ordena uma expedição à caverna com o objetivo de encontrar o artefato. Para isso é montado um grupo para realizá-la. Não um grupo comum, com apenas membros do exército, e sim de guerreiros, paladinos, meio-demônios, clérigos e magos.

O grupo é formado por 16 jovens entre homens e mulheres de diversos reinos, alguns experientes e outros sedentos por uma aventura, a maioria deles escolhidos pelo líder da guarda, Raizath. O grupo é liderado pelo nobre Damian, o líder da força especial de Magos no reino de Nalim. O grupo, depois de apresentados são informados que a expedição seria apenas para buscar artefatos, escondendo assim, a história do poderoso pergaminho e dos possíveis rivais que estariam à caminho com o mesmo objetivo.

Agora imagine um grupo tão grande, com diversas personalidades e diferentes dons embarcando numa longa jornada, tendo que passar por inúmeros obstáculos, inclusive uma temida Floresta das Sombras e inúmeros (muitos mesmo!) seres mágicos, malignos, medonhos e inesperados ao longo do caminho. Não esquecendo do mercenário juntamente com o sanguinário que agindo em conjunto possuem o mapa e os enviados de Asenhar, o rei das trevas!

Na tal floresta há necromantes, mortos-vivos, demônios e uma infinidade de monstros que irão garantir muitas cenas de batalhas sangrentas e impiedosas durante toda a trama. O autor não poupou violência, luta e magia durante toda a aventura dos nossos heróis.

Os personagens, como já disse, possuem personalidades bem marcantes e histórias interessantes a serem contadas. Eu resolvi não citar nome de cada um na resenha, pelo fato de serem muitos e para quem não conhece a história, muita informação antecipada geraria até um pouco de confusão. O que se pode esperar neste aspecto, é realmente a evolução dos personagens ao longo da história e um certo drama envolvendo suas escolhas em meio à tantas decisões a serem tomadas em situações extremas.


O livro é denso, com quase 600 páginas, mas a leitura flui bem. Além das batalhas, nessa aventura épica você encontra também alguma diversão nos diálogos dos personagens, algo que estranhei MUITO no início da leitura, mas com o passar dos capítulos dá para se acostumar. O autor resolver pôr uma linguagem mais moderna, aderindo a gírias, expressões e até alguns palavrões bem conhecidos por nós, foi algo realmente inovador  num livro de fantasia, ainda por cima medieval!

Aos fãs do gênero o livro certamente não decepciona, possui todos aqueles elementos que gostamos, muita luta, aventura e magia para aguçar nossa imaginação. Você se teletransporta para o universo criado por Manoel, e assiste as batalhas como um espectador presente. Apesar de toda ação eu achei o final um pouco previsível, o que não quer dizer que foi ruim. Aguardo a continuação e pensando numa aventura até mais sangrenta do que o primeiro volume, pelo menos foi que pareceu pelo final.

Obrigado ao Manoel Batista pela confiança de resenha sua obra. E aos leitores, não esqueçam de comentar. Espero que tenham gostado da resenha. Beijo na alma.


16 comentários:

  1. Hey, Rodrigo!

    Tudo ia muito bem e eu estava já querendo ler o livro, até que você disse que o autor usa gírias e palavrão.
    Acabou com toda a minha vontade de ler... rs. Isso não combina com fantasia.
    Agora vou deixar passar.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Parece um bom livro, não li nenhum do gênero ainda, apesar de não ter chamado tanto a minha atenção vou tentar dar uma chance a ele futuramente. Gostei da resenha, apontou todos os fatos com clareza ;)

    http://www.literaturanews.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiii Rodrigo, tudo bem?
    Eu já realizei a leitura dessa obra e fiquei completamente apaixonada, o que achei meio ruinzinho foi o tamanho, mas o resto bem tranquilo, pois me encantei em cada personagem e pela quantidade de detalhes <3
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Olá Rodrigo, eu adoro me aventurar em histórias assim, mesmo o livro sendo enorme, é o tipo de história quando bem feita nem vemos as páginas passar. Adorei, dica anotada. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Oii, no começo da resenha você colocou o nome do autor como Manoel "Bandeira", não é Batista? rsrs
    Bom, não costumo ler livros com esse tema, e nem com essa linguagem... dessa vez vou deixar a dica passar
    Beijos

    http://blog-myselfhere.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Rodrigo tudo bem? Acho que já disse isso uma três vezes, mas eu amo as suas postagens. Eu não sei tem um charme diferente e mesmo quando não curto a dica de leitura me vejo fascinada por sua escrita e criatividade. Parabéns!
    O Livro parece ser legal, mas vou deixar a dica passar, apenas por falta de tempo e por ele ser um livro grande, mas amei a dica. Bjs
    http://www.facesemlivros.com/

    ResponderExcluir
  7. Muito obrigado pela resenha Rodrigo!!! Muito bom saber que você curtiu a história e se divertiu, espero que possamos seguir com a parceria e que você possa continuar acompanhando Nildrien e meus outros trabalhos, grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  8. Fiquei na dúvida sobre as gírias e os palavões atuais. Não tenho um conceito formado, mas acho que perde um pouco da ambientação medieval.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oie que bom saber que você gostou dessa obra, parece de um gênero bacana e bem construída, no entanto não me chama muita atenção, principalmente por essa peculiaridade de uma linguagem mais moderna incluindo até palavrões, não sei se eme agradaria. E uau, naão sabia que um livrão assim teria continuação, torcendo para que seja bom.

    ResponderExcluir
  10. eis um belo calhamaço... fiquei bem curiosa com o enredo, e essa Floresta sombria... hehehe lendo a resenha fui tentando visualizar o local...
    não conhecia a obra, mas fiquei tentada a descobrir mais sobre ela...
    dica anotada... bjs ^^

    ResponderExcluir
  11. oi ^^
    pow estou fugindo de livros grandes assim e o fato de ser uma fantasia medieval e ter palavrões e linguagem moderna ... isso não me atraí nenhum pouco. com certeza seria dinheiro e tempo jogado no lixo, pois ia abandonar o livro na hora (sou mt chata).
    no mais valeu pela opinião sincera, mas passo a leitura.

    ResponderExcluir
  12. Não ando muito interessada em livros desse gênero, mas sabe que dia ou outro sinto falta de um cenário como esse? Sinto falta de ler um Harry Potter ou de assistir a um filme que seja fantasia pura. Por que será? Beijos, bela resenha e é legal a questão do moderno com a fantasia.

    Carolina Gama

    ResponderExcluir
  13. Oi
    Nossa esse livro parece ser incrível. Eu já tinha visto a capa, mas não sabia sobre o que era a trama. Sua resenha está super completa. Deu muita vontade de ler.
    Bjus

    ResponderExcluir
  14. Oie tudo bem? Apesar de grande o livro parece ser devastador, daqueles que a gente não para até terminar de ler, né? Fiquei interessada.

    ResponderExcluir
  15. Oie
    muito legal sua resenha, não conhecia o livro ainda mas bem legal a dica e o gênero em geral então quem sabe eu não arrisque

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Estou lendo Nildrien agora, e estou adorando o autor conseguiu criar um universo perfeito com uma linguagem bem jovem. Otima resenha :)

    ResponderExcluir

TWITTER